Tricologia

Alopecia Androgenética

É a queda de cabelos de origem familiar, muito comum em homens e mulheres, sendo popularmente conhecida como calvície.

Caracteriza-se pelo início gradual da perda de cabelos e afinamento dos fios (miniaturização): fios grossos e pigmentados (terminais) para fios finos e pouco pigmentados (velus).

A alopecia androgenética é induzida por andrógenos (hormônios masculinos) em mulheres e homens susceptíveis. Nestes pacientes, ocorre aumento da atividade da enzima 5-alfaredutase e do hormônio diidrotestosterona causando miniaturização.

Observa-se o processo de miniaturização dos fios. Fios grossos (terminais) tornam-se finos (velus), deixando o couro cabeludo evidente em algumas regiões.

  • A área acometida pela perda de cabelos é diferente em homens e mulheres:
  • • Homens: alargamento da linha de implantação dos cabelos e rarefação temporal, causando as “entradas”. Também acomete o vertex (ápice do couro cabeludo). Poupa as regiões laterais e occipital.
  • • Mulheres: rarefação dos fios na área da coroa, região central do couro cabeludo.

De acordo com o grau de acometimento, a alopécia androgenética segue a classificação de Norwood-Hamilton em homens e de Ludwig em mulheres.

Classificação de Norwood-Hamilton

Classificação de Ludwig

O diagnóstico da alopecia androgenética é clínico.

Mulheres que apresentam alterações menstruais e/ou excesso de pelos no corpo necessitam de exames adicionais de laboratório e de imagem.

Tratamento
Depende do grau de acometimento, sendo diferente em homens e mulheres.

  • • Loções capilares que inibem a queda e estimulam o crescimento dos fios.
  • • Sistêmico: medicamentos que inibem a enzima 5-alfaredutase e o hormônio diidrotestosterona, como anticoncepcionais (para mulheres), finasterida e outros antiandrogênicos.
  • • Cirúrgico: transplante capilar.
  • • Adjuvantes: escovas e bonés com laser e LED (light emitting diode).