Tricologia

Alopecia Areata

Caracteriza-se pelo aparecimento de uma ou mais placas de alopecia (área sem cabelos) no couro cabeludo e/ou outras áreas do copo. Em raros casos, pode ocorrer a perda total dos cabelos. Estima-se que 80% dos pacientes apresentam uma placa única, 2,5% duas placas e 7,7% várias placas. As principais áreas acometidas são couro cabeludo (67-95%), barba em homens (28%), sobrancelhas (3,8%) e extremidades (1,3%).

As lesões são geralmente assintomáticas, mas pode ocorrer prurido (coceira) ou sensação de queimação no local.

Também podem ocorrer alterações ungueais.

A alopecia areata pode estar associada a um evento estressante nos últimos 6 meses, ansiedade, depressão, dermatite atópica, vitiligo, desordens da tireóide e outras doenças auto-imunes. Além da alopecia areata em placas, podemos classificá-la em:

  • • Reticular: várias placas de alopecia separadas por finas faixas de cabelos, confere um aspecto reticulado ao couro cabeludo;
  • • Ofiásica: perda de cabelos nas bordas do couro cabeludo, região temporooccipital;
  • • Sisaifo: corresponde à forma inversa da alopecia areata ofiásica, acomete a porção superior do couro cabeludo, não acometendo as bordas;
  • • Total: perda total dos cabelos no couro cabeludo;
  • • Universal: perda total dos cabelos e pelos em todo corpo.

Diagnóstico:
Clínico, através da anamnese e exame dermatológico, incluindo dermatoscopia. Em muitos casos, se faz necessário à solicitação de exames laboratoriais para descartar outras doenças associadas.

  • Tratamento
  • • Irá depender do grau de acometimento.
  • • Muitas lesões voltam a ter cabelos de forma espontânea.
  • • Tratamento tópico: minoxidil, corticosteróides tópicos, antralina. Infiltração intralesional de corticosteróides.
  • • Tratamento oral: corticosteróides orais, imunossupressores.
  • • Imunoterapia tópica: sensibilização com difenciprona em casos extensos.